Abdominoplastia

O aspecto do abdômen alterado por distensões causadas pela obesidade ou pela gravidez pode ser corrigida pela Abdominoplastia, também conhecida como Dermolipectomia Abdominal. Essa cirurgia serve para corrigir a flacidez abdominal que não pode ser melhorada nem mesmo com dietas e exercícios.

Isso quer dizer que a Abdominoplastia não é uma cirurgia de emagrecimento. A cirurgia reduz a aparência protuberante do abdômen, retirando dele o excedente de pele e gordura, além de modelar os músculos abdominais e recuperar a forma da cintura.

O primeiro passo para a Abdominoplastia é remover o excesso de pele e gordura na parte inferior do abdômen. É bem possível que uma Lipoaspiração seja realizada simultaneamente, para retirar a gordura das partes lateral e superior do abdômen.

Posteriormente, os músculos abdominais são reforçados através de sutura em sua linha média, deixando o abdômen mais firme. Por fim, o umbigo é reposicionado e restaurado para melhorar o seu aspecto.

A cicatriz final fica em um local que seja escondido pelas roupas íntimas. No planejamento cirúrgico, que é feito individualmente com cada paciente, será discutida a melhor forma de deixar a cicatriz discreta de acordo com as características corporais de cada paciente.

A Abdominoplastia pode melhorar significativamente a aparência e, consequentemente, a autoconfiança. Os pacientes sentem-se renovados com um abdômen mais firme e plano e também mais confortáveis em sua vida social e física. No entanto, a manutenção dos resultados exige cuidados, como uma dieta saudável e prática regular de atividade física.

Miniabdominoplastia

A miniabdominoplastia é um procedimento menor, com incisões menores e tempo de recuperação mais curto. A indicação da Miniabdominoplastia são os casos em que não há um excedente grande de pele a ser retirado, mas que os resultados de uma lipoaspiração seriam insatisfatórios, pois a flacidez não seria corrigida.

Então, na Miniabdominoplastia, retira-se somente uma pequena faixa de pele na região inferior do abdômen, produzindo uma cicatriz menor do que a da Abdominoplastia e o reposicionamento do umbigo sem nenhuma cicatriz.

Intercorrências

As intercorrências são situações que surgem no período pós-operatório e não interferem no resultado. São exemplos: equimoses (manchas roxas na pele), edema (inchaço), pequenos hematomas que podem drenar espontaneamente ou necessitar drenagem cirúrgica, eliminação de pontos internos (por volta de 3 semanas), deiscência de pontos (abertura do corte), seroma (coleção de líquidos que se formam pelo grande descolamento tecidual), alterações passageiras (melhoram após vários meses) ou definitivas da sensibilidade da pele etc. Em alguns casos, poderá ocorrer, após o oitavo dia, a eliminação de certa quantidade de líquido amarelado ou sanguinolento, por um ou mais pontos de cicatriz. Não se preocupe, porque se isto lhe ocorrer não significa complicação.

Outras intercorrências indesejáveis e mais complexas, que felizmente são raras: infecção, grande deiscência (abertura) de pontos, necrose (morte) parcial ou total da pele próximo à cicatriz, grandes hematomas que precisam ser drenados e as intercorrências pertinentes a qualquer procedimento cirúrgico. Sua ocorrência, felizmente, não é frequente e não costuma comprometer os resultados. Nestas eventualidades é fundamental manter a calma e conversar profundamente com seu médico que cuidará atentamente do seu caso. O paciente não deve transmitir a existência destas intercorrências a seus amigos e familiares. Eles poderão deixá-lo inseguro, nada podendo fazer efetivamente para ajudá-lo. Isto gera angústia, dúvidas e insegurança. Continuar confiando no seu médico ainda é o melhor caminho e ele saberá como lhe ajudar, pois só ele sabe realmente como foi realizada sua cirurgia, em todos os seus detalhes.